Guillermo del Toro e Chuch Hogan - Trilogia da Escuridão [resenha]




Trilogia da Escuridão é composta por:

1 - Noturno

Nova York , aeroporto JFK.
O Boeing 777 da Regis Airlines, vindo de Berlim, aterrisa na hora prevista. Subitamente, na pista de pouso, seu motor para. As luzes se apagam. Os canais de comunicação silenciam. A equipe de terra se perde numa espera aflitiva por algum sinal dos passageiros.
Considerando a possibilidade de um ataque biológico, o Centro de Controle de Doenças é acionado e o Dr. Eph Goodweather, responsável pelo projeto Canário, responde ao chamado. Ao subir a bordo, seu sangue gela com o que vê.
Harlem Espanhol, rua 188. Numa loja de penhores, um sobrevivente do Holocausto, Abraham Setrakian, cujos estudos de folclore da Europa Oriental levaram-no para os mais obscuros cantos do mundo, intui que algo grave está prestes a acontecer. Sabe que a hora chegou e que a guerra está apenas começando.
Uma pandemia vampírica se espalha por toda a cidade de nova York e irrompe numa batalha sem proporções. Eph se une a Setrakian e a um grupo inusitado de combatentes para neutralizar a ação do vírus e salvar a sua cidade - a mesma que abriga sua mulher e seu filho - antes que seja tarde demais.
Guillermo Del Toro, criador visinário de O labirinto do fauno, e Chuck Hogan, autor consagrado pelo prêmio Hammett, trazem sua imaginação para este épico de coragem e audácia, sobre uma batalha entre homens e vampiros que ameaça toda a humanidade. Noturno é o primeiro livro da Trilogia da Escuridão, um fenômeno que promete conquistar o mundo.

2 - A Queda

Segundo volume da 'Trilogia da Escuridão', 'A queda' da continuidade a terrivel epidemia de vampiros imaginada pelo cineasta Guillermo Del Toro em 'Noturno'. Escrita em parceria com o autor de thrillers Chuck Hogan, a serie narra uma invasão de vampiros em Nova York provocada por um virus capaz de causar uma pandemia em escala mundial. Em 'A queda', o virus disseminado a partir de um avião vindo de Berlim segue se alastrando por Nova York e transformando pessoas comuns em perigosas criaturas sedentas por sangue. Enquanto tenta combater a epidemia, o doutor Ephraim Goodweather se depara com uma nova e ainda mais assustadora ameaça - uma guerra entre os vampiros do novo e do velho mundo. Com a ajuda de Abraham Setrakian, ex-professor em Budapeste e sobrevivente dos campos de exterminio nazistas, e de Vassily Fet, do Serviço de Controle de Pragas, o medico precisa agir antes que a especie humana seja exterminada.

3 - Noite Eterna

O aguardado desfecho da Trilogia da Escuridão do premiado cineasta Guillermo Del Toro em parceria com Chuck Hogan, chega às mãos dos leitores em Noite Eterna. Dois anos após o início da epidemia de vampiros que se alastrou pelo globo, os dias têm apenas duas horas de sol e a humanidade encontra-se à beira da aniquilação. A única esperança de resistência contra o exército do Mestre, o vampiro ancestral, é o grupo liderado por Eph Goodweather. Mas as evidências de que há um traidor entre eles pode pôr em risco o destino da raça humana. Traduzida em mais de 20 países, a série renova as tradicionais histórias de vampiros e surpreende pela originalidade.

O QUE ACHEI:
Uma série escrita com perfeição para se tornar sucesso de vendas rápidas e, provavelmente, sucesso posterior no cinema ou na tevê. Interessante é notar como alguns desses livros escritos meramente para entreter e fazer sucesso no cinema acabam se tornando "clássicos modernos", como ocorreu com alguns livros de Stephen King.

Foi uma série longa, mas bastante interessante e de fácil "digestão literária", para usarmos uma expressão metafórica e cômica. Os autores capricharam nos personagens, cenários, trama e culminaram com um final quase épico. 

Do enredo: Só posso dizer que é perfeito, dosagens equilibradas de suspense, ação (muito violenta, por sinal), fantasia e romance.


Dos personagens: Todos carismáticos. Do protagonista - Ephraim Goodweater até o antagonista, conhecido como "Mestre" - os personagens desfilam com qualidades e defeitos que facilmente os classificam como "do bem" ou "do mal", mas nem por isso viram clichês enjoativos ou insossos. Muito ao contrário: Vão para além do bem e do mal, são muito humanos (falando de humanos, não dos vampiros) e mesmo um líder de gangue, aqui pode sair do seu universo escuro e decadente para se tornar um herói.

Resumo: Uma trilogia que começou parecendo-se muito aos livros de ficção científica misturado ao terror clássico de "Drácula" e mais doses de suspense policial, ela se desenvolveu para algo que se tornou muito similar aos modernos romances sobre "apocalipses zumbis"  que tanto empolgam as novas gerações de leitores. Confesso que, fora "The Walking Dead" não sou fã de filmes, séries ou livros com zumbis. Talvez porque todos sigam sempre o mesmo padrão - vírus mortal, pessoas em pânico, mundo se perdendo, pessoas virando zumbis, pequeno grupo de sobreviventes. E a luta pela sobrevivência.

Aqui, a trilogia "Da Escuridão" se destaca, não apenas porque o povo não vira zumbi, mas vampiros. E porque, apesar de ter um caráter bastante ficção científica, os livros misturam um punhado de folclore norte-europeu, mitologias, religiões, misticismo. Não se trata apenas da dominação do planeta pelo Mestre-Vampiro, se trata de uma antiga "reivindicação" desse senhor do mal ou "vingança" talvez, contra o seu Pai Primordial. Por isso a história é tão envolvente: Além do quebra-quebra usual, lutas de rua, conflitos familiares e duras escolhas na luta pela sobrevivência, há ainda muitos mistérios que se tornam uma obsessão para o leitor desvendar: Quem é esse Mestre, de onde veio? Por que ele está aqui? Quem são os Outros Antigos? Quem é o Nascido? Qual o papel de Ephraim na história, por que ele é tão importante em toda a trama?

O professor judeu Abraham Setrakian é, de longe, meu personagem favorito. Um idoso que viveu todos os horrores da Segunda Guerra, como prisioneiro num campo de concentração nazista, o pobre homem é o único (no Livro I) que sabe da existência da praga vampiresca. E é através dele que Ephraim e sua companheira, a médica Nora Martinez, irão de encontro ao real perigo que ameaça a todos.

Setrakian continuará firme no livro II, mas logo surgem mais personagens carismáticos, como exterminador de Pragas, Vassily Fet, Gus (líder de gangue), etc. 


O final é simplesmente imprevisível: Nada poderia apontar para o que vai acontecer no último capítulo, o que porá fim ao drama da Escuridão. 

Eu gostei no geral, embora tenha me afeiçoado ao Dr. Eph, Gus, Setrakian, etc. e tivesse preferido para eles outros destinos. Mas o enredo e a ação desenvolvida por eles na trama valeu cada linha lida e cada emoção sentida.

Uma trilogia que recomendo com muiita emoção (até me senti tentada a chorar um pouquinho em algumas cenas) e que desejo, sinceramente, que se torne um épico no cinema também.


Share:

2 comentários:

Arismeire Kümmer Silva disse...

Oi, Jossi.
Eu sou fã dos filmes do Del Toro, em especial A Espinha do Diabo e O Orfanato, então fiquei muito curiosa sobre esta série. Depois de enrolar algum tempo acabei lendo Noturno. Gostei bastante de todo o mistério do inicio, com a sequência do avião, mas ao longo do livro fui perdendo o interesse. Não posso dizer exatamente o motivo, mas aconteceu e não me interessei em continuar a leitura. Daí começaram a anunciar a série the Strain, adaptação dos livros, e eu decidi ler os demais. Estou no meio do segundo e gostando mais deste do que do primeiro, já que meu personagem favorito acabou sendo o Quinlan. Gostei do Sertrakian e do Fet e foi só. A série está me decepcionando profundamente. Conseguiram piorar o livro um. É chata, arrastada e o ator que faz o Eph e a atriz que faz a Nora ficaram péssimos nos papeis, além dos personagens terem ficado intragáveis.Uma pena. Espero que melhore um piuqinho, pelo menos, já que foi renovada para uma segunda temporada. Eu ainda não li mas sei o final da história, pois na internet tem uma penca de pessoas furiosas com o fim, hehehehehe. Quando eu ler te contoo que achei. Bj, Aris.

Jossi disse...

Oi, Aris!
Eu quando li o livro 1, achei o máximo, mas isso já fazem uns 2 ou 3 anos... fiquei ansiosa pelo livro 2 e o 3. Finalmente quando chegaram eu não perdi tempo, rss... Li o 2 e fiquei angustiadíssima! Gostei. O 3 porém foi meio chato, porque o herói, o grande herói que devia ser o Doutor Eph, acabou se tornando um belo dum depressivo crônico, não é? Credo... eles estragaram o herói... e o final foi... bom, com exceção de alguns personagens por quem eu me APAIXONEI e que sumiram da história, aiii que raiva. No todo, a série literária foi ótima (no meu parecer). A série de tevê... hum... está muiiiito abaixo da série livresca. Muito. Atores sem graça, enredo fraco, nossa. O povo que não gostou tem razão! Nem sei se vou continuar assistindo...

Bjinn Aris!