Manel Loureiro - O Último passageiro


Valkirie, o último passageiro e uma tremenda armadilha de mistério e terror

Agosto de 1939. Um enorme transatlântico chamado Valkirie aparece vazio e à deriva no Oceano Atlântico. Um velho navio cargueiro o encontra e decide rebocá-lo até o porto, mas não sem antes descobrir que nele há um bebê de poucos meses... e algo mais que ninguém é capaz de identificar. Por volta de setenta anos depois, um estranho homem de negócios decide restaurar o misterioso transatlântico e repetir, passo a passo, a última viagem do Valkirie. A bordo, presa em uma realidade angustiante, a jornalista Kate Kilroy busca uma boa história para contar. Mas acabará descobrindo que somente sua inteligência e sua capacidade de amar podem evitar que o transatlântico pague novamente um preço sinistro durante o percurso. Inquietante. Enigmático. Viciante. Bem-vindo ao Valkirie. Você não poderá desembarcar…mesmo se quiser. 



O QUE ACHEI:
Um navio, um bebê e uma estranha realidade.
Ótimo livro!

Não conseguia parar de ler, desde o iniciozinho, quando o tremendo e assustador Valkirie surge no mar, completamente escuro e vazio. Dá para sentir na pele os arrepios que os marinheiros ingleses sentiram, quando aquela névoa densa e gelada os cercou e depois abriu-se, para revelar a estrutura imensa do transatlântico. Nada faltava lá, nem mesmo uma mesa imensa completamente posta para um jantar... nada faltava. Só as pessoas! Com exceção de um único e pequeno passageiro, um bebê, sozinho, no meio do salão de baile...


É assim que começa a trama hipnótica do espanhol Manel Loureiro, escritor que já me conquistou com sua trilogia "Apocalipse Z", que tem uma linguagem ágil, fluída e de fácil compreensão.

Este romance, porém, é ainda melhor, pois tem um tema pouco aproveitado pelos escritores de ficção. Não vou dizer qual é, pois já seria "spoilear", mas digamos que tenha a ver com o sobrenatural. Claro, que tem a ver com terror e sobrenatural todos já sabem, mas acho que poucos leitores tem uma ideia do que realmente os espera dentro daquele tenebroso "Valkirie".


O mais curioso na história é a estupenda armação de eventos, todos entrelaçados e aparentemente caóticos, que deixa o leitor, a um tempo nervoso, inquieto e ansioso para descobrir uma determinada ordem naquele caos. E a ordem vem, mas aos poucos. Aos pingos, deixando-nos cada vez mais curiosos para saber o que virá a seguir.

Kate Kilroy é uma jornalista que perdeu o marido, há poucos meses e resolve aceitar o desafio de investigar a história daquele transatlântico que, aparentemente foi esquecido pela história... Tudo para sair um pouco da depressão e mergulhar em um trabalho instigante. Mas ela fica intrigada com a história. Como foi? Onde teriam ido parar os passageiros? Por que o tal Valkirie tinha fama da "navio amaldiçoado"?

E a história do bebê judeu encontrado lá dentro - sendo o navio nazista? E aí começam a acontecer as coisas. Ou melhor, os acontecimentos na mão desse escritor talentosíssimo não acontecem, fluem, deslizam. Nada de páginas e mais páginas de descrições enroladas, insossas ou irrelevantes - pecado de muitos escritores bestsellers mais famosos, como Stephen King, por exemplo. Manel Loureiro, com três livros publicados anteriormente (série Apocalipse Z) que fizeram estrondoso sucesso, repete aqui a receita do bestseller vitorioso.

Não parei de ler, literalmente devorei o livro (o ebook, para ser mais precisa). E dei um suspiro de tristeza quando o final chegou.

Super recomendado para os fãs do sobrenatural e que preferem narrativas rápidas, assustadoras, sobrenaturais e com ritmo fluído e ágil. 

Ah, sobre o final... É um pouco complicado para entender, mas não vou dar pistas. Só direi que me decepcionei com um único pontinho: Gostaria de saber sobre o "após", o que aconteceu com a protagonista depois de tudo e se, por acaso, ela tornou a rever o velho e sábio judeu... ou teve novos contatos com seu grande amor. Só lendo para você entender. ;)



Share:

4 comentários:

Arismeire Kümmer Silva disse...

Eu estou muito curiosa para ler este livro. Procurando. Com sorte acho
;-)
Bj, Aris.

Jossi Slavic Genius disse...

Faz em bem em procurá-lo! Vai gostar, tenho certeza. Esse é um daqueles (poucos) que você lê, gosta e quer ter na estante para reler mais uma ou duas vezes. É dos bons!
;)

Fernanda disse...

Oi! Ótima resenha... li esse livro há pouco tempo, e amei a narrativa, o enredo... devorei o livro, na verdade. Mas, caraca, não entendi direito o final até agora! Foi o que me deixou um pouco frustrada. Achei tudo muito confuso, e fiquei sem entender vários pontos. O desfecho podia ter sido melhor, realmente.. um livro tão envolvente e com um tema tão interessante merecia isso :/

Bjs!

Jossi disse...

Oi, Fernanda!
Vou te responder [COM SPOILERS, ATENÇÃO A QUEM AINDA NÃO LEU!]

De fato, faltou um final mais explicativo. Ou pelo menos que a tramóia toda (sobre o terror que assombrava o navio, aquele vai-e-vem de fantasmas, as coisas que pareciam estar em duas realidades ao mesmo tempo)fosse mais destrinchada... Entretanto, acho que posso te dar uma explicação (o que eu consegui apreender, sacar de tudo aquilo): O navio estava eternamente recriando um ciclo de tempo. Ele estava amaldiçoado (e nisso aqui eu não entendo bem como, nem por quê) e parte de seu destino "amaldiçoado", digamos assim, era repetir, repetir e repetir sempre aquele ciclo: chegar ao local onde os passageiros "somem" (ou melhor, ficam presos numa realidade paralela)e alternar o passado com o presente. E Kate fazia parte desse ciclo, até que... sei lá como, o fantasma do marido morto resolve agir. E a força do amor deles é o agente motriz que desfaz a "maldição". O velho judeu, finalmente, teria paz, bem como todos os demais passageiros presos no limite entre as dimensões.
Esquisito, né? Mas é original... O que faltou foi mesmo uma explicação mais detalhada do autor.
Bjoss! :)