Algernon Blackwood - Os Salgueiros


Um conto arrepiante, o "melhor conto fantástico já escrito", segundo H. P. Lovecraft


O QUE ACHEI:
De um dos escritores da mesma safra de H. P. Lovecraft, Ambrose Bierce e Auguste Derleth, Algernon Blackwood também tem o mesmo estilo "sombrio e suave". Nada de cenas escandalosamente sangrentas - aos moldes do terror moderno. O máximo de escândalo que se notaria numa obra desses autores seria, por exemplo, a aparição do horror inominável, de uma aberração como nunca se viu na terra, ou outras expressões de caráter mais ou menos descritivas de monstros pré-históricos e infernais. Mas nada de muito sangrento, nada de corpos em decomposição, cenas escabrosas de zumbis podres "com líquido purulento" lhe escorrendo pelas entranhas. Nada de coisas nojentas assim.


O horror sobrenatural gótico é do estilo que mais aprecio: Assustador, mais sombra do que matéria, mais abstrato do que concreto, mais suspense do que ação sangrenta. Suave e poderosamente, o leitor adentra o mundo escuro de visões infernais, de criaturas surreais, de mundos paralelos - embora tão reais quanto o nosso. Não raro, os personagens (principalmente os de Lovecraft) são lançados numa paródia de realidade e, embora ainda mentalmente sãos, podem enlouquecer no transcorrer da história. Geralmente esses enredos não me agradam: Prefiro personagens lúcidos e vigorosos, que aceitem o aspecto sobrenatural da realidade e consigam, de quebra, sair dele relativamente intactos e salvando o maior número possível de vítimas... Sim, gosto de heróis!

Não é bem o caso deste conto, Os Salgueiros. Aqui há uma atmosfera de sombras, ventos e tempestade, quando dois amigos se perdem durante um passeio de canoa e vão parar em uma ilhota, onde precisarão acampar já que o nível da água do rio sobre e os impede de partirem. Isso os prende e é lá que passam a noite... E que noite!

O conto que baixei daqui, do Site Lovecraft. Obrigada aos tradutores!



Share:

1 comentários:

Arismeire Kümmer Silva disse...

Já li, mas não gostei muito, devo confessar ^^
Bj, Aris.