Anthony Horowitz - A Estrela do Mal - O poder dos cinco, 2

2º Livro da Série O Poder dos Cinco – Anthony Horowitz


Título Nacional: Estrela do Mal
Lançamento: 2007
 352 páginas
Editora: Galera
Título Original: Evil Star
Ano de Lançamento: 2006
Número de Páginas: 272 páginas
Editora: Walker Books

Sinopse: Matthew Freeman é uma das cinco crianças escolhidas, de acordo com a profecia, para lutar contra os Antigos. Ele é chamado pela misteriosa instituição Nexus para uma missão na América do Sul. No início, seus inimigos parecem estar sempre um passo à frente. Mas eles não contam com alguns inesperados aliados de Matt; o segundo dos Cinco e uma antiga tribo de guerreiros incas.

O QUE ACHEI:
Essa série é muito boa. Desde que li o primeiro livro (na verdade, nas primeiras páginas) já me apaixonei pela saga do rapazinho Matt, de 14 anos. 
Um menino órfão, que parece não ter sorte na vida, pois desde que os pais morreram, ele passou a viver "de favor" com uma meia-irmã de sua mãe, Gwenda Davis. Esta é uma mulher não muito velha, porém bastante desleixada, interesseira, rabugenta. E pior, não gosta do sobrinho e só aceitou ficar com ele por causa da grana - que viria para as mãos de quem se responsabilizasse pela criação dele.

Desde os 8 anos de idade Matt viveu com Gwenda e seu companheiro Brian.

Quando ele percebeu como era desprezado, começou a viver perigosamente, e dessa forma, envolveu-se em várias aventuras que, longe de ajudá-lo, só pioraram sua vida e o fez conhecer a polícia, outra mãe adotiva e uma vida no mínimo... aterrorizante.


E tudo isso, no primeiro livro da série, do qual já falei aqui no blog.

Ele descobre que tem certos poderes latentes e que, com a ajuda de outros cinco jovens, tem uma missão importantíssima a cumprir - livrar o mundo de um Mal muito, muito antigo... um mal que muitos temem, enquanto outros, uma pequena parte de renegados, bruxos, feiticeiros ou pessoas mal-intencionadas, quer trazer de volta à terra através dos "portais" - passagens entre as dimensões.

Um desses portais Matt conheceu no primeiro livro - que eu recomendo seja lido, para se entender melhor toda a trama.

Agora, ele irá a um pais longínquo (para ele, que é inglês), o Peru. 

Em uma história cheia de reviravoltas, Matt primeiro terá de enfrentar um "espírito de porco" que parece estar influenciando sua ex-primeira-mãe-adotiva, Gwenda Davis. A mulher, que decai terrivelmente desde a primeira história, estará completamente possessa... Mas, sem spoilers. Você só precisa saber que Matt continuará sofrendo (coitado desse garoto!), vai sofrer perseguições, fugirá de uma escola cheia de mauricinhos revoltados, depois vai viajar e viverá uma das maiores (e melhores? Ou piores?) aventuras de sua vida.

No Peru, na capital Lima, ele vai sentir na pele o que é a pobreza do Terceiro Mundo... credo. Olhando os países da América do Sul com os olhos de um garoto inglês, eu me peguei pensando: É assim que somos? Porque Lima, no Peru, não é muito diferente de muitas capitais brasileiras, suponho. Será que nós, sul-americanos, somos assim tão... tão... tão miseráveis? A descrição feita por Horowitz de Lima é deprimente!



E ali, nessa cidade suja, com casas e edifícios feios, empilhados, mal construídos, povoada por uma gente extremamente pobre, dominada por uma força policial corrupta e bruta (palavras do escritor, não minhas!) Matt conhecerá Pedro, o segundo Guardião (dos Cinco).

Irão parar em um lugar fantástico, no meio das florestas e próximo das montanhas, conhecerão mais gente malvada (e gente boa) e viverão aventuras intensas e difíceis...

Esse segundo livro é ainda mais interessante e gostoso de acompanhar do que o primeiro. Não sei porque a Editora Galera não lança logo o quinto e último livro, pois mal terminei o segundo e... já estou me coçando para ler os outros.

Parece que, a cada livro, o nível das dificuldades enfrentadas por Matt e pelos demais Guardiões será maior: Quase como na saga de Harry Potter, com o diferencial de que os livros são mais curtos e a ação se desenvolve com mais foco e menos personagens. O que torna toda a aventura mais rápida e concisa.

Uma aventura juvenil que pode ser lida e apreciada por gente de qualquer idade: Sem ser pretensioso, o autor consegue prender o leitor com maestria, numa linguagem fluída, simples e profunda ao mesmo tempo.

Excelente!

Share:

0 comentários: