Manel Loureiro Doval - APOCALIPSE Z - 2 - Os dias escuros


Apocalipse Z - Os Dias Escuros - Manel Loureiro Doval

Neste segundo livro da série, os sobreviventes do Apocalipse Z conseguem chegar às ilhas Canárias, uma das últimas zonas livres dos não mortos. Mas, o que ali encontram é um estado militar enredado em uma guerra civil, com uma população faminta e quase sem recursos para sobreviver. Em Tenerife, o protagonista e seu amigo Víktor Pritchenko recebem uma missão quase suicida - devem acompanhar uma equipe de soldados até Madri e saquear o hospital La Paz. Esse hospital foi um dos primeiros pontos seguros a ser invadido, mas é lá que estão armazenadas toneladas de medicamentos imprescindíveis para os sobreviventes. Para tanto, vão ter de dizer adeus à segurança da ilha e voltar a um inferno inimaginável - uma cidade pós-apocalíptica, cheia de zumbis agressivos que colocarão à prova seu desejo de lutar pela vida.

O QUE ACHEI:
Magnífico! Como o primeiro livro, esse segundo em continuação é uma aventura soberba, onde o autor soube dosar bem a ação com o suspense e pitadas de romance.

Claro, de novo o protagonista (o advogado sem nome) estará ao lado do ucraniano Víktor Pritchenko, da jovem Lucia e da freira, e aqui fica bem claro seu envolvimento com a garota. O fato de ela ter só 17 anos não parece ter sido empecilho para que o autor a colocasse diante de, não só do amor pelo mocinho, como outros perigos terríveis.


Chegando às Canárias, ao invés do porto seguro que imaginavam, eles primeiro passarão por uma horrorosa quarentena em um navio-hospital, e por azar deles, sob a guarda de um "marinheiro" que é mais bandido e psicopata que outra coisa. Numa reviravolta estranha, eles passam de vítimas inocentes a suspeitos, quando um bandido resolve assediar Lucia (sem que o marido dela soubesse, já que estava em quarentena e longe dos outros). E nesse transe de horror, maldade, inveja e loucura, Lucia e a freira se tornarão duas vítimas fáceis...

Mas isso não é nada, ainda. O pior virá quando eles saem da quarentena e vão morar num hotel barato, entre pessoas que os olham com maldade e inveja.

O advogado e Víktor Pritchenko acabarão por ter de deixar Lucia e a irmã (que irá para o hospital) para embarcar numa missão suicida, junto de outros soldados, em busca de medicamentos, numa Madri distópica arruinada, detonada, em ruínas e... podre de zumbis.

Enquanto os dois amigos enfrentarão coisas de gelar o sangue dos mais afoitos, Lucia, sozinha, vai enfrentar uma cidade estranha, onde os ânimos parecem estar no limite entre a sanidade e a loucura. Trabalhando num dos hospitais, ela acabará tendo de enfrentar - de novo - o bandido mais porco que eu já conheci na literatura de terror. O mesmo que já a assediara no navio... de novo... como se ela já não tivesse sofrido o suficiente!

De sustos em susto, o autor vai conduzindo o leitor pelos meandros tortuosos de uma fictícia terra coalhada de mortos-vivos e vivos-mortos (neste caso, me referindo à gente má, aos restolhos da sociedade, como o tal bandido a que me referi). Pobre Lucia! Quase salva. Quase feliz, junto ao homem amado. Quase... será?


Muitas emoções incríveis, um suspense de arrepiar todos os cabelos da sua cabeça, sustos incontáveis nesse continuação de Apocalipse Z. O melhor livro de zumbilosofia que se pode encontrar hoje, só comparável ao seriado (e talvez, aos livros do mesmo) The Walking Dead.

O final da história não chega, nem de longe, a matar a sede dos leitores ávidos por suspense... ao contrário: O final ainda nos deixa mais loucos para saber o que vai suceder depois! E o que aconteceu com eles? O que houve? Por o... bom, sem spoilers. Tratem de ler, pois é coisa boa!


Share:

1 comentários:

Marcelo disse...

Fantástico é pouco , para descrever esta incrível aventura , eu sinceramente achei melhor do que os livros de The Walking Dead , lógico na minha humilde opinião , já estou no terceiro livro e doido para terminar de ler logo , rsrsr pena estar com pouco tempo para isso !!!