Patrick Ness - Mundo em Caos 1 - O Motivo

O Motivo - Mundo em Caos - Livro 1 - Patrick Ness

Todd Hewitt é um garoto de doze anos, o último menino de Prentisstown, uma cidade de homens. Ele vive em um mundo cheio de "ruído" em que os pensamentos privados de todo homem e animal são audíveis. Em um mês ele estará com treze anos e será um homem. Mas a cidade está mantendo segredos para ele, segredos que vão forçá-lo a fugir do prefeito e dos homens de Prentisstown junto com seu cachorro e a primeira garota que ele já conheceu. A cada página, o leitor ficará cada vez mais ligado a Todd e Viola, com sua história de amizade, e sentirá afeição genuína por Manchee, cão e ajudante de Todd, cujo comportamento é hilário e comovente. Na sua essência, é uma história sobre um garoto forçado a crescer rapidamente em um mundo de ruínas em loucura e armado apenas com sua convicção de fazer a coisa certa para ajudá-lo a sobreviver. Todd vive em um mundo onde um germe matou todas as mulheres, um germe que deixou os homens loucos, o germe que significou o fim dos spackles quando a loucura dos homens colocou as mãos numa arma.

O QUE ACHEI:
Um livro de fantasia inovadora, que mostra até onde o escritor moderno terá de ir para escrever alguma coisa mais original. Devo admitir que Patrick Ness foi original de fato, criando uma fantasia de "fim-de-mundo" ou distopia (que é o contrário de utopia, termo novo para descrever um pretenso mundo pós-apocalíptico) bastante bizarra.

Não gostei do livro, não gostei do estilo, não gostei do enredo. E para completar, o final foi um verdadeiro terror, em todos os sentidos do termo.



Pode até ser original, mas não é o tipo de originalidade que gera empatia, ao contráro: gera estranheza, aquele franzir de sobrancelhas e lábios que, no leitor, significa: 'o que é isso, gente?'. Não, de fato, Todd Hewitt até poderia ser um personagem interessante e gerar empatia. Seu caozinho Manchee (aliás, um dos personagens mais carismáticos da história) e mesmo Viola, uma mocinha que parecia ter mais força interior que a população inteira daquela tal "Terra Nova", até geram empatia no leitor. O que estraga, é o enredo.

Um mundo cheio de "ruído" já é algo que, de tão bizarro, parece impensável. Ruído, leia-se "transmissão de pensamentos". Mas só entre os homens, veja lá. Os "ruídos" das mulheres os homens não conseguem ouvir...


Afinal, não há muito o que dizer de uma história chata, repetitiva no que se refere aos sofrimentos de Todd e sua família (os dois homens que o criaram). O pobre personagem passa o livro inteiro, inteirinho, fugindo de bandidos, assassinos, gente malvada, aliens e até mesmo de miragens malvadas. Não há um momento de sossego, de descanso. Não há a culminação final com uma recompensa, com um pequeno suspiro de alívio. Tudo, todos os caminhos, só levam ao desespero e a mais sofrimento!

Não gostei, e para mim, esse foi o primeiro e ultimo da série. (x.x)

Share:

2 comentários:

Fabrica dos Convites disse...

Pena que você não gostou. Eu ainda não o li, mas confesso que ainda tenho interesse, apesar desta capa horrorosa.
Bj, Rose.

Jossi Slavic Genius disse...

Então... além de tudo, há o detalhe da capa. Parece que anda faltando criatividade aos designers gráficos, não? Enquanto alguns se superam, em capas belíssimas (para livros mais sem graça), outros criam capas totalmente insossas.

Bem, amiga, essa resenha foi apenas a minha opinião. É claro que os gostos variam, rs.

Bjs