Literatura - Dicas para quem escreve - 2 - Composicao e Estilos


Na continuação de minhas anotações estão alguns trechos de 'dicas' para o escritor ou para se obter uma boa composição literária. Novamente está sem a bibliografia consultada. Fiz um resumo daquilo que considerei de maior interesse e lá vai. (1)

Assunto
1 - Os melhores assuntos são os que se vivencia ou observa. Quanto mais estranhos forem, mais difíceis serão para serem lidos. Retomando trabalhos interrompidos, leiam o que precede e concentrem o espírito, até recuperar o calor do pensamento, resfriado pela interrupção. É bom ler, também, uma passagem análoga de algum excelente autor. (2)

2 - Medite bem sobre o assunto: É imprescindível. O que ele é, de que se compõem, seus aspectos (descrição de paisagens, meios, personagens), circunstâncias: o autor do fato, o lugar, os meios, os motivos, o modo e o tempo.

3 - Busquem exemplos - contos, parábolas, trechos de livos ou filmes, etc.

4- Procurem comparações.

5- Usem as "figuras de linguagem" (assunto das próximas "páginas" ou dos próximos posts).

6
- Procure definir e esculpir o seu estilo.

Partes da Composição

1- Princípio. Deve ser breve e simples - o título do capítulo não deve fazer parte do assunto nem considerar-se como uma primeira frase.

2- O princípio deve ser modesto, não se gabar ou nem anunciar que se dirão maravilhas.

3- O princípio deve ocultar cuidadosamente a conclusão.

4- Desenvolvimento: O interesse deve ir sempre crescendo e ser habilmente distribuído em toda a composição. Mas são demais as digressões e as exclamações patéticas que demoram o interesse: "Coisa incrível... sinto arrepios de lembrar. Ele encontrou... céus! O que é isso?"

5- Pouca arte tem a transição que consiste em fazer notar a ligação do que se disse com o que se vai dizer: "Se a humanidade para com os povos é o primeiro dever dos grandes (acaba de ser dito) não será também o atributo mais delicioso da grandeza? (Vai ser provado).

6- Conclusão: Deve ser rápida e produzir uma última impressão no leitor. Escolham-se dentre os sentimentos que o tema inspirou, para finalizar, os que mais comovem e persuadem o leitor. Deve alargar o pensamento e ampliar o quadro.

Redação
Para conseguir o que se quer, é preciso pelo menos, umas três redações. E retocar, retocar sempre, apagar aqui, complementar ali, salientar lá, cortar lá. Revisar duas, três vezes, até se conseguir o efeito desejado. (3)


O Gosto
As qualidades do bom gosto literário são:

Vivacidade
- É quando dicernimos logo o que uma obra encerra de bom e de ruim.

Delicadeza - Consiste em distinguir as belezas mais ocultas, como os defeitos mais ocultos.

Segurança - É não confundir as falsas belezas com as verdadeiras e julgá-las com infantilidade.

O Estilo
O que impressiona não é o que dizemos, mas como dizemos. Só as obras bem escritas lograrão ser eternas.
-- Buffon.

Para formar o estilo...

1- Observação inteligente.
Sentir a beleza das coisas, das paisagens, dos seres, dos elementos. As viagens alargam o campo de observação.

2- Ler.
Ler muito, ler de tudo, ler devagar e atentamente.

3- Observação moral
Conversar com as pessoas e observar-lhes o caráter e a personalidade.

4- A boa imitação
É quando não é uma reprodução, mas uma impregnação geral e assimilação do conjunto das ideias  e das imagens de um autor, mas com independência, sem nos escravizarmos ao modelo. É lícito imitar: Uma ideia alheia, para desenvolvê-la de modo pessoal (4). Uma imagem, uma expressão, pensamento, sentimento, mas modificando-os até dar-lhes outra feição.

_______________________________________

(1) Quem quiser um texto mais amplo e detalhado, aqui tem mais sobre o estilismo e a composição.
http://www.soportugues.com.br/secoes/estil/index.php

(2) Excelente dica. Embora eu escreva menos, hoje em dia, sempre quando tenho algum projeto grande ou muito envolvente, eu costumo empilhar diversos volumes ao lado de minha mesa, ou seja, do lado do pc. Embora isso seja um pouco desajeitado, já que em mesa de computador não cabem muitas coisas, isso é imprescindível. Os livros que consulto são sempre de bons autores e com temáticas similares na qual estou trabalhando. E sempre tenho marcadores de páginas colocados em páginas ou trechos que me inspiraram.

(3) Mesmo quando se está na confiança de que um revisor profissional irá ler e consertar nossos 'errinhos', é preciso caprichar sempre. Quanto mais erros de português houver no seu trabalho, menores as chances de que ele seja lido por um editor. O mais provável é que seja descartado de início, mesmo que o enredo e a temática sejam bons.
Mais dicas AQUI e AQUI.

(4) Isso hoje em dia é bastante comum. É tolice querer ser totalmente original: Toda grande obra literária sempre teve e sempre terá outra, na qual se baseou. Um exemplo muito popular, é a temática vampira, que nos anos 80 nasceu com ímpeto, murchou nos anos 90 e renasceu com força total nos anos 2000. Todos os filmes e livros se basearam, a princípio, na obra-prima de Bram Stoker, com variações infinitas. E hoje podemos encontrar vampiros para todos os gostos... desde vilões malvados a vampiros delicados e de corações puros...

Share:

2 comentários:

Pat Kovacs disse...

Fica a pergunta se é possível um autor juntar todos os dados que precisa para escrever uma obra, e não digo que os dados sejam livros de cosulta, mas as formas que existem para se construir bons textos.
Acabei de acessar o link do Só Português e me arrepiou só de ver a quantidade de links para as milhares de regras da gramática!
Para escrever bem, de verdade, é necessário mesmo ter um cabeção!

Amor e Livros disse...

E é mesmo, Pat!
Eu dei uma olhadinha no link do 'Só Português' e também vi que, apesar de muito conteúdo bom, é coisa demais para se assimilar, rss...
São regras demais, tanto ortográficas, como de estilo... É bom conhecer, mas não dá tbm para se amarrar demais, ou as inspirações acabarão travadas e a gente não consegue escrever.