Catherine Gaskin - A Heranca Tilsit


Uma moça dividida. Mistérios de família. Uma herança que traz as marcas de várias tragédias.

Com uma história fascinante que se desenvolve em três cenários distintos, o Caribe; Nova York, que é residência de Ginny durante cerca de um ano; e a sombria Inglaterra dos castelos antigos e tradições seculares, e um enredo romântico entremeado de lances drámaticos e de muito suspense, A Herança Tilsit apresenta personagens marcantes, como a própria Ginny, figura central do romance, seus pais, a tia Isobel e a avó Jane, e ainda o arquiteto Jim MacAdam e Mark Bostow, funcionário da cerâmica Tilsit, que se envolvem romanticamente com Ginny.

O QUE ACHEI:
Este é um dos livros de Catherine Gaskin que eu menos gostei. Gostei com fervor de todos, mas esse... bem, demorei o dobro do tempo, porque parei na metade. 



Não que a história seja ruim, o enredo sem graça ou os personagens chatos. Pelo contrário: É tudo excelente. Mas a autora peca por excesso de palavras. Isso mesmo: Ela excede o limite da boa construção da narrativa por excesso de considerações, descrições, personagens que não terão (quase) nenhuma importância real na trama. Se ela tivesse cortado uns 30 por cento das imensas descrições que faz e de diversas cenas sem graça do início, a narrativa teria ganhado uma agilidade e uma beleza extra. Confesso que fiz careta diversas vezes e tive que pular várias páginas, que no fim das contas, nem fizeram falta.

O drama todo é a trágica família Tilsit, da qual Ginny faz parte. O começo é terrivelmente monótono, e dá a impressão que a história não se desenvolverá nunca, não vai haver ação, nem emoção, nem drama, nem mistério algum.

Enquanto ela está no Caribe, numa paradisíaca ilha na qual vive com John Tlsit, seu pai e a mãe, Katrien, Ginny ainda é uma mocinha inexperiente. Ela se apaixona de corpo e alma por Jim, um homem marcado por uma viuvez que não quer aceitar. O fantasma da mulher perfeita (a esposa falecida) o assombra, e por isso ele não pode, nem quer aceitar o amor daquela menina ingênua. Uma menina "que é como uma sombra" ao lado das lembranças da sua lindíssima e independente esposa morta.

Para esquecer Jim, ou melhor, para se tornar mais independente, Ginny vai embora das ilhas.


Sim, ela se tornará uma mulher de fato, experiente, amadurecida, bonita e tudo mais, porém nessa história toda, o maior perdedor será Jim. Porque depois de tê-la empurrado pra longe de si, na tentativa de vê-la "crescer", ele acabará por perdê-la... Ela vai parar, depois de muitas aventuras, na Inglaterra, para tomar posse da mansão Tilsit, deixada para ela por sua falecida tia Isobel. Uma pessoa da qual seu pai parecia sentir verdadeiro horror e de quem se afastara. E de quem, parecia, tinha medo...

Mas Ginny irá descobrir tantos dramas, em sua estadia na Inglaterra, tantos obscuros segredos e tanta sujeira que foi pra debaixo do tapente, que a narrativa, nesse ponto, se tornará muito mais ágil e interessante. No meio disso tudo, ela vai conhecer e se apaixonar por Mark Bostow, um ceramista da fábrica Tilsit e grande artista plástico. E ele, como outros personagens envolvidos com os dramáticos Tilsit, também tem um segredo.

O final da história é muito bom, culminando com a revelação terrível e a decisão mais dolorida de todas: Ginny vai ter de optar pela Família e a Fábrica de Cerâmica Tilsit - com todo o inominável horror que as envolve - ou a vida pacata e feliz nas ilhas, junto da mãe e de Jim...
Mas no meio de tudo há a figura bela e feroz de Mark, que a ama com a intensidade e o perigo de um tsunami.

O desfecho é excelente. Se você for ler e não quiser se aborrecer com as partes monótonas, recomendo que pule as páginas iniciais, lendo apenas o que lhe parecer relevante. Da metade para o fim as coisas serão bem melhores.

:)

Share:

5 comentários:

Arismeire Kümmer Silva disse...

Concordo com você, este está longe de ser um dos melhores livros da Catherine, mas está a frente de outros, como Sara Dane e, se não me engano, O Verão da Esoanhola (acho que vou ter de reler este para ter certeza) :-D
Bj, Aris.

Amor e Livros disse...

Oi, Aris! Pois é, eu ainda estou com 'O Verão da Espanhola' na estante, mas logo que eu termine outros que estão na frente, e tem mais urgência de leitura (livros incríveis, quero dizer, rss), vou pegar nesse. 'Sara Dane' só tenho uma versão digitalizada em português de Portugal, em txt, mas vou ler também... nem sei se esse livro dela foi publicado aqui no Brasil. Se vc souber de outros títulos em português, me avise!
:)

Arismeire Kümmer Silva disse...

Publicados no Brasil:
1) A Governanta
2) Um Falcão para a Rainha
3) A Herança Maldita
4) A Herança Tilsit
5) O Verão da Espanhola
6) Sarah Dane (O Calvário de Sara Dane)
7) Casada Com a Companhia
8)O Vaso Partido
9)A Mansão dos Blake
10) Assuntos de Família
11) O Preço de Uma Promessa
12) As Mulheres do Embaixador
Acho que são estes que foram publicados em português :-)
Bj, Aris.

aureo disse...

Traduzido para o português de Portugal também encontrei O caso Devlin, maiores detalhes na página do skoob: http://www.skoob.com.br/livro/187190

Jossi Slavic Genius disse...

Olá!
Catherine Gaskin é boa narradora, mas agora estou empacada em "A Mansão dos Blake", que é muito arrastado.
Vejamos:

1) A Governanta - lido, nota 10!

2) Um Falcão para a Rainha - na pilha

3) A Herança Maldita - lido, nota 10!

4) A Herança Tilsit - lido, nota 7

5) O Verão da Espanhola - na pilha

6) Sarah Dane (O Calvário de Sara Dane) - lido (e-book), nota 10!

7) Casada Com a Companhia, não tenho

8)O Vaso Partido - lido, nota 10!

9)A Mansão dos Blake - lendo, até agora... nota 6

10) Assuntos de Família - na pilha

11) O Preço de Uma Promessa - não tenho

12) As Mulheres do Embaixador - na pilha

É isso! Quase tudo o que li, adorei, com exceção do que estou lendo (Mansão dos Blake).
;)