Charlaine Harris - Serie Vampiros do Sul 7 - Todos Mortos Juntos


Livro 7 - All Together Dead,  que pode ser traduzido como: "Todos Mortos Juntos".

A garçonete Sookie Stackhouse da Louisiana terá de lidar com todo tipo de vampiros, paranormais e todas as criaturas sobrenaturais imagináveis. E depois de ter sido traída por seu antigo amor vampiro, Bill, Sookie não só deve lidar com um novo homem na sua vida, Quinn, mas também combater em uma guerra de vampiros longamente planejada. Aqui, ela irá visitar a cidade de Rhodes, numa conferência de vampiros, que se dará no luxuoso hotel vampiro Pirâmide de Gisé.

O QUE ACHEI:
Ora bolas! Com certeza, não gostei mesmo de Quinn. Não tem muito motivo pra isso, apenas não gostei, porque minhas preferências recaíam sempre em Bill ou Eric. Ou até Sam ou Alcide. Mas esse outro aí... apareceu pelo meio da trama, não fez nada de muito significativo na história, apesar de ser, aparentemente, fiel a Sookie. Mas não tem muito atrativo pra mim. Assim, as tramóias e brigas entre vampiros, lobis, bruxas e afins continuam, incessantemente. E ela, a "valente" Sookie, no meio de tudo aquilo.


Sookie e o vampiro Eric, na série de tevê americana, True Blood


Nesse livro aqui, o sétimo da série, que eu traduziria como "Todos Mortos Juntos", as loucuras da garçonete continuam. O namoro dela com o tal Quinn também continua, e ela é convidada (!!!) para ir a uma conferência de vampiros em Rhodes.

Outro livro, que parece prolongamento do livro 6 (do qual também não cheguei a gostar).

Sei lá, mas à medida que a personagem vai mergulhando mais e mais no mundo sobrenatural, e se envolvendo com um ou outro tipo de criatura, mais enrolada e encrencada ela fica. E mais a escritora C. Harris tem que usar e abusar de sua criatividade, que começa a soar meio exagerada, em alguns dos livros. Por favor, enviar a Sookie, uma simples humana, para uma "conferência" de vampiros, não parece estranho e pouco convincente? Pra começar, ela nem namora mais nenhum vampiro. Seu caso com o Bill acabou e tudo o que C. Harris insiste em dizer é que "ela é o contador Geiger" da rainha-vampira Sophie-Anne.

Bem, mas gostos são gostos, e muitos leitores continuam gostando da série, embora eu confesse que do livro 6 pra cá, a coisa parece ter perdido um pouco o sal. Não há mais mistério (que eu considero fundamental em qualquer trama, romântica, policial ou drama); não há mais romantismo, apenas cenas de sexo (apelativo); o bonito e interessante romantismo inicial parece ter evaporado (a Sookie nem lembra mais das coisas bonitas que ela e Bill sentiram, um pelo outro).

Mas há aventura, loucura, vampiros em guerra uns contra os outros, casais de vampiros em lua-de-mel (heteros e homos), casamentos de vampiros, julgamentos de vampiros, humanos lutando contra vampiros, metamorfos malucos, e no meio de tudo, a Sookie. Dando uma de heroína, mas tendo pouquíssimo reconhecimento por isso. Não é estranho?

Seja como for, essa série ainda promete, pois  nada ainda foi definido: Nem o destino de Jason - será que ele ficará com aquela pretensiosa da Crystal? Espero que não; nem o destino de Bill (esperaria que ele se redimisse com Sookie...); nem o destino de Eric Northman (ele continua misteriosamente atraído por Sookie); nem o destino do Sam (eu adoro o Sam! Ele é o mais gentil e honesto de todos os personagens masculinos). E muito menos, o destino romântico de Sookie.
Vamos prosseguir lendo e resenhando...


Share:

0 comentários: