Robin Cook - Esfinge

Uma esfinge... as pirâmides... e um grande mistério antigo e moderno, ao mesmo tempo.

Esfinge é o título de um dos mais célebres romances do mundialmente conhecido criador do thriller médico, o médico e escritor Robin Cook. Érica Baron consegue finalmente realizar o grande sonho da sua vida: fazer uma viagem até ao Egipto. Érica é uma egiptóloga e há muito que ambiciona caminhar por entre os magníficos templos e monumentos daquela civilização extinta há já tanto tempo. Não imagina, porém, que esse sonho se vai transformar num verdadeiro pesadelo em que ela corre o perigo de perder a própria vida. Ao encontrar uma pista que poderá conduzir a tesouros lendários a mais terrível das maldiçoes do Mundo Antigo vai aliar-se à mais selvagem do mundo moderno e juntas vão fazer tudo para destruí-la.

O QUE ACHEI, resenha de "ESFINGE":
Erica Baron vive o que, vamos falar a verdade, toda mulher de hoje gostaria de fazer: Conhecer o antigo Egito através de seus famosos monumentos, templos e pirâmides, e por que não, de suas tumbas e múmias.
E é o que ela consegue, de fato.

Quando iniciei esse romance, estava imaginando outro suspense médico, com as tramas mirabolantes (e quiçá, baseadas na realidade) de Cook. Adoro esse autor, porque seus personagens nunca são tolos ou com características previsíveis. E suas heroínas são fortes, com temperamentos firmes e decididos.

No caso de Erica Baron, além de decidida e corajosa, ela ainda é muito bonita e tem um noivo, Richard - que é médico e não a acompanhou, inicialmente, na viagem - que a ama muito. Apesar disso, ela dá a impressão de que seu relacionamento com Richard está em decadência, tudo porque ele não compartilha seu amor pelo antigo Egito e as antiguidades.

Então, ela sai em viagem, contrariando o noivo e a sua mãe, que desejava para a filha um destino melhor, ou seja, que ela encontrasse"um trabalho de verdade", ao invés de ficar fuçando em "velharias e múmias".

Porém, a viagem que ela julgou ser um tônico para sua carreira de egiptóloga, se revelou uma grande "furada".

O novo Egito nada tinha a ver com o antigo: O povo árabe e sua cultura que priva a mulher da sua liberdade, a cidade entupida de turistas, a falta de higiene de certos locais e ruas, os homens que olhavam para ela com um jeito "safado" e que não perdoavam o fato das ocidentais terem mais liberdade que suas mulheres... enfim. Tudo aquilo a desconcertou e irritou. Mas não a demovou do seu intento de correr atrás de relíquias e antiguidades.

Até que, um acaso do destino a coloca frente a frente com um senhor árabe, um homem gentil e educado, que lhe mostra a mais fantástica estátua de Seti I que ela já vira... Entretanto, o negociante de antiguidades sofrerá um destino trágico, e a belíssima estátua cairá em mãos inimigas.
Desde aí, Erica passará por situações absolutamente inusitadas, aventuras dignas de um filme de suspense e ação e se verá face a face com o mistério da maldição de Tutancâmon, em sua versão moderna.

Não vou entrar em detalhes, caso você vá ler o livro... seria desleal. Mas posso garantir que a trama vai prendê-lo da primeira à última página, e você roerá as unhas e tremerá junto com Erica, tentando descobrir quem será o real vilão da história: O charmoso francês que ela conhece e que, em certa altura, abalará  ainda mais seu noivado, o grego receptador que contrabandeia antiguidades, os árabes sinistros, o  chefe árabe da segurança do Cairo... serão inúmeros personagens e inúmeros momentos em que Erica se verá face a face com o perigo... e a morte.
 Entretanto, eu, na pele dela, teria fugido do misterioso (mas perigoso) país dos faraós na primeira oportunidade!

Nota 10 para essa trama incrível de suspense e mistério.






Share:

2 comentários:

Aris disse...

Eu li Coma e a Esfinge quando tinha uns dez/onze anos. Não lembro de quase nada, especialmente de Esfinge. Na época não fechou muito comigo, mas, como séculos se passaram, acho que vou reler pra ver no que dá :-D
Bj, Aris - Mistério das Letras.

Jossi Borges disse...

Oi, Aris! Isso, releia "Esfinge". Aos 12 anos, somos mais ligadas em romances e amores... e esse livro tem isso, mas de forma madura. A mocinha passa por maus bocados, e o suspense é de assustar!
Bjoss