Anne Rice - O Vampiro Lestat

ANNE RICE conta com uma extensa coleção de best-sellers e uma legião fiel de fãs em todo o mundo. E sua criatura mais famosa segue o exemplo. O vampiro Lestat é como um Michael Jordan da literatura gótica. Tem newsletter própria e os mais diversos produtos com a sua marca — de bonecos a vinhos nobres. Um dos motivos para isso foi o timing perfeito do lançamento de O vampiro Lestat, em plena época de romantismo pós-punk, e o sabor pop adicionado à trama. Desperto nos anos 80, depois de passar meio século em hibernação, Lestat se aborrece ao passar por uma livraria e encontrar 'Entrevista com o Vampiro' à venda. Ele quebra o código de silêncio dos vampiros ao escrever a sua história e se transformar numa estrela do rock, enfeitiçando milhares de fãs. Narrado em forma de autobiografia, o romance acompanha o vampiro através dos séculos enquanto ele busca sua origem e um significado para sua existência. Ao invés da figura sombria descrita pelo vampiro Louis no primeiro volume das Crônicas Vampirescas, encontramos um Lestat de Lioncourt simpático, sedutor, romântico e até moralista. O livro retorna à França pré-revolução. Passamos do mundo aristocrático da infância de Lestat, seu desbunde como ator no mundo cênico de Paris, até sua transformação em vampiro. A partir desse ponto, ele vai procurar entender quem é e de onde vem. Como um detetive, sai em busca de pistas que o levarão aos vampiros ancestrais, o elo perdido dos bebedores de sangue. Em sua busca, Lestat desvela a fantástica mitologia vampiresca que remonta ao Antigo Egito e, aos poucos, toma conhecimento de quem é quem na galeria de imortais que habitam o mundo. Nessa busca, porém, ele também encontrará muitos inimigos. O predador é transformado em presa.


Demon, detalhe por Ceruleanvii

Subtítulo: As Crônicas Vampirescas - vol.2
Editora: Rocco
Ano: 2009
Páginas: 467

O QUE ACHEI: Anne Rice é cruel em sua escrita, cruel no seu estilo e no jeito de dizer as coisas. Não há dúvida que escreve bem, muito bem,  tem um quê de maligno nos seus livros: não sei se é proposital, mero transpirar da trama que nos assusta. Ou se, de fato, as Crônicas Vampirescas são diabólicas, no sentido mais profundo do termo. Vocês podem até rir, sorrir e falar uma piadinha. Mas experimentem ler.

Em O Vampiro Lestat, toda a crueldade fria dos vampiros e seu mundo são claramente mostrados, sem pudor, sem delicadezas. Lestat aqui, apesar do pré-vampiro (o Lestat humano) ser simpático, um gentil jovem nobre da França pré-revolução, o Lestat de Lioncourt vampiro é um ser sem piedade. Determinado, voraz, sedento de por conhecimento, ele não poupa suas vítimas. Pouco se importando com os humanos - a quem, no fundo, ele despreza - sua obsessão é procurar por outros vampiros. Outros iguais a ele.
Numa linguagem forte, é uma trama carregada de emoção, trazendo em certos momentos uma sensação de horror, que domina o leitor como uma aura, um manto, tornando livro e personagens persistentes em nossa mente, horas após a leitura.

É um livro bem escrito, mas repito: Pessoas sensíveis talvez não apreciem determinados trechos. O livro "cheira sangue", mas seria injusto dizer que é um livro ruim. Justamente por isso, o considerei muito bom, um dos melhores da literatura vampírica que já li.

Faz parte de AS CRÔNICAS VAMPIRESCAS, compostas dos livros seguintes:

   1- Entrevista com o vampiro (1976)
   2- O Vampiro Lestat (1985)
   3 - A Rainha dos Condenados (1988)
   4 - A História do Ladrão de Corpos (1992)
   5 - Memnoch (1995)
   6 - O Vampiro Armand (1998)
   7 - Merrick (2000)
   8 - Sangue e Ouro (2001)
   9 - A Fazenda Blackwood (2002)
   10 - Cântico de Sangue (2003)

NOVAS CRÔNICAS VAMPIRESCAS:

Pandora (1997)
Vittorio, o Vampiro (1998)


Share:

1 comentários:

Aris disse...

Bom, a Anne Rice escreveu Entrevista com o vampiro em mais ou menos 7 dias, após a morte de sua filha de leucemia, mas após Entrevista, Lestat se tornou cada vez mais "humano" e menos cruel :-)
Nos livros mais recentes que li dele ele estava muito encantado com a humanidade.
Bj, Aris.
PS, acho os dois primeiros livros os melhores :-)