Simone Marques - Agridoce [resenha]



Sinopse oficial:

Anya é uma garota comum, estudante de gastronomia e que mora em Florianópolis. Certa noite, ao passear pela praia ela sente um aroma que a atrai terrivelmente, um perfume, uma mistura de fragrâncias que mexe com todos os seus sentidos. Na noite seguinte ela sente o mesmo aroma e descobre que ele vem do corpo de um belo banhista que sai do mar. Cedendo ao impulso, ela vai até ele. Atormentada pelo aroma, ela precisa experimentar, então, alcança seu pescoço e o morde numa veia pulsante. Anya então descobre o prazer de degustar o sangue doce, que a fazia pensar em frutas flambadas, temperado com o sal da água, o sabor agridoce que a desperta para uma necessidade vital que fará parte de sua vida à partir de então, a necessidade de sangue.
Aromas que Despertam suas Emoções!

--------------------------
RESENHA:  

EU TERMINEI a leitura do romance Agridoce, da minha amiga Simone O. Marques. E já posso dizer que estou em crise de abstinência... dos personagens e da trama desta fascinante saga vampírica brasileira!
Agridoce já chamou minha atenção pela capa. Um rosto feminino com olhos de uma tonalidade marrom-chocolate, lábios carnudos de onde escorre uma gotinha de sangue (do mesmo tom marrom-chocolate). E ao fundo, um torso masculino nu, provido de poderosos músculos. O que já denota a presença de um personagem atraente e sedutor, o que já é uma promessa de grandes comoções dentro da trama... ;)
A capa é uma introdução perfeita para o enredo pelo qual adentramos, ao mergulharmos na histórida de Anya, a protagonista. Ela é uma Vampira, não é  absolutamente, nada comum. Não pense que vai encontrar aqui uma trama romântica açucarada ou insossa; uma 'salada' mitológica com vampiros, homens-lobo, fadas, anjos e outros mitos. Ao contrário: Nossos vampiros - os vampiros criados por Simone - são brasileiros até a medula, embora tragam em seu histórico um pouco do mito do vampiro europeu tradicional. Anya é uma jovem simpática, delicada e sensível, que não se conforma com seu "Despertar" ( o seu acordar para a vida de vampira ).  Tramitam em torno dela quatro homens fantásticos. Aqui, gostaria de fazer mais uma observação, a respeito de cada um deles, e o quanto eles "pesam" na história de Anya. Também quero mencionar a similiaridade do caso Anya com o caso Lucy Westenra, do livro Drácula de Stoker.

Edgar Andrade, o pai de Anya. Um homem de meia-idade, pai superprotetor, honesto e de caráter ilibado. Gostei de Edgar, é o pai que todos gostaríamos de ter.

Ivan, o "tio", amigo de Edgar e Anya. Um negro alto, forte, generoso e capaz de tudo para proteger a jovem, filha de Bete, do qual ele fora "escravo" (entenda-se "escravo de sangue", uma pessoa que desperta para doar de livre e espontânea vontade seu sangue a um Portador ou Vampiro).

Rafael, o "tutor" de Anya. É um tipo de vampiro que se responsabiliza por ensinar sobre a nova vida que o Portador vai levar, após ser "despertado". Um vampiro alto, esguio e de uma beleza clássica, que também se sente atraído pela beleza etérea e singela de sua pupila.

Daniel, o "Escravo" de Anya. Um ex-garoto de programa, com fisico esculpido em academias e um temperamento leviano, no início eu o detestei. Depois, quando ele "despertou" e descobriu-se procurando freneticamente por uma mulher sem rosto, cujo nome lhe soava na cabeça como que vindo de algum sonho fantástico, tudo mudou na vida dele. Não era mais o rapaz tolo, com fala macia e vulgar, tipicamente cafajeste, bonito e sem cérebro. Ele mudou... E como! A ponto de me fazer elegê-lo meu 'favorito' na história. E, claro, torcer ansiosamente para que Anya se apaixonasse por ele... Obs.: Anya sente o aroma de Daniel como o de "chocolate". Pode-se imaginar, então, tudo o que ele representa e representará, na vida dela, não é mesmo?

*
Finalmente, eu não podia deixar de mencionar mais um personagem, que me impressionou muito: Dante, o médico do Hospital Ana Néri que trabalha na emergência, e quem atendeu a moça, no início da história, quando de seu quase-afogamento. Dante ficou obcecado pela estranha moça que, de um minuto para outro, desapareceu do hospital sem deixar rastros. Para mim, Dante é um enigma... até agora.

*
Eu achei a trama muito bem conduzida, e a similaridade com o livro de Stoker está na figura frágil de Anya, que, como Lucy Westenra (uma das personagens mais graciosas e doces do livro, vítima de Drácula), também teve quatro grandes homens ao seu lado para protegê-la. Lucy foi amada simultaneamente por Arthur Holmwood - seu noivo - , John Seward e Quincey Morris. E um médico dedicado que atuou como um pai, Dr. Van Helsing. Mas a simililaridade para aqui, pois todo o resto da trama é muito, muito diferente. É uma narrativa moderna, ágil, clara, nos trazendo as imagens, sons e, principalmente, aromas e sabores com incrível precisão. Transportando-nos para dentro daquela aventura, fazendo-nos roer as unhas nas cenas de perigo, sufocar nas cenas tensas e sorrir com uma ponta de malícia e desejo por chocolate, nas cenas em que Anya se encontra com Daniel...

E, ao terminar a leitura, eu percebi - com uma grande esperança no coração - que ela poderá continuar... Uma continuação. Todo mundo vai querer uma continuação, com certeza!
Um livro imperdível, com cenas que não sairão facilmente de sua imaginação. Preparem-se, leitores e leitoras... Vocês vão, literalmente, salivar, quando lerem "Agridoce".
 ;-)

QUEREM CONVERSAR COM A AUTORA E SABER DETALHES SOBRE O LIVRO?
AQUI:


Share:

1 comentários:

Anônimo disse...

Bom dia. Li sua resenha e me percebi nela. Li o livro de Simone duas vezes, e a cada vez me sinti mais e mais seduzida pela trama. Com certeza, Simone é uma escritora FANTÁSTICA, assim como suas histórias! Parabéns pelo blog, é lindo. E quanto ao meu personagem favorito de Agridoce, sou apaixonada pelo IVAN! *-*

Juh Reis.